sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Dia da amizade


Queremos comemorar convosco mais um dia de São Valentim, que para nós tem mais significado chamar-se dia da Amizade.
Comemoramos este dia dando alguns mimos uns aos outros com muito carinho e muita amizade.
Durante o dia 14/02/2018 fizemos em conjunto umas deliciosas bolachinhas que distribuímos e partilhamos com todos os funcionários da Quinta.




Como devem calcular, não foram só para eles, nós também tivemos direito em come-las.     


Minho

Descobrimos que o Minho fica ao cimo de Portugal (laura). Tem lá uma terra chamada Braga (Matilde), Viana do Castelo (Carolina S.) e Barcelos (Beatriz). Eu trouxe um colar de ouro de Viana (Lara) e eu trouxe um coração em filigrana da minha irmã e uma travessa de loiça de Viana (Mª Inês). Eu trouxe umas botas do Minho dos meus avós (Tiago C.) e eu trouxe uns livros de receitas e lendas do Minho (Laura).

Fizemos corações com bolinhas e risquinhas a imitar a filigrana (Carolina S.). Pintamos uns galos de Barcelos (Diogo) depois de ouvirmos as lendas (Afonso).
Cantamos uma canção “indo eu por Braga acima” (Ema) e tocamos reco-reco (Matilde).

Fizemos um lenço dos namorados (André), que as noivas cosiam para dar aos noivos (Lourenço e Mª Inês). Uns tinham desenhos (Bernardo), outros tinham letras “mensagens” (Afonso), corações (André), também tinham casinhas (Laura). Enrolamos umas fitas fininhas e fizemos corações em filigrana (André).
Dançamos o vira e a Carolina veio com uma roupa típica do Minho (Todos), de Viana de Castelo e a minha mãe fez comigo um bolo chamado colchão de noiva e torta de claras, para partilhar co os amigos (Carolina S.).
Cá na sala comemos arroz doce e bolinhos de bacalhau (Lara) e aletria (Diana), que é feita com massa (Gustavo), tipo cobrinhas (Beatriz). Tanto o arroz doce como a aletria tinham canela (Lourenço).
Lá no Minho há um cão especial de lá que é o “Castro Laboreiro” (Laura). Também há umas vacas especiais, com uns cifres grandes que dão carne muito boa (Lourenço), é a carne Barrosã (todos). Havia um peixe com uma boca tipo ventosa (Carolina), uma Lampreia (Bernardo), parece uma cobra (Tiago C.) que vive no rio Minho (Lourenço).
O Vinho Verde é de lá (Diogo), que pode ser branco (Lourenço) ou tinto (Ema). Também se come lá Caldo Verde (Beatriz), Bacalhau (Lourenço) e cozido do Minho (Inês).
Planta-se milho (Gustavo), que se guarda numas casinhas chamadas espigueiros (Carolina S.) e que as senhoras se juntam a desfolhar (Laura).
As casas no Minho são feitas de pedra (Bernardo), aos quadrados (André), com brilhantes (Gustavo) e o nome dessa pedra começa pelo G do meu nome (Gustavo), é o granito (Todos).






quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Viva o Carnaval


Foi uma semana de muitas brincadeiras e descobertas de carnaval…
Acabámos a semana com o nosso desfile de carnaval, que apesar da chuva foi muito divertido. Obrigada às famílias que deram uma ajuda com os nossos meninos.
Depois do desfile continuámos a nossa festa na sala, com um baile de máscaras…
No final do dia lanchámos com os amigos da sala dos 2 Anos1. Obrigada à família da Maria I. pelas bolachinhas de carnaval.

Viva a alegria do Carnaval!


Este ano vivemos o Carnaval, com outra magia e alegria…mostrámos os nossos disfarces com orgulho e fazíamos uma grande festa cada vez que algum amigo mascarado entrava na sala.
O sol não quis aparecer, mas a nossa vontade de brincar ao Carnaval foi maior, aproveitámos uma pequena trégua da chuva e fomos desfilar junto com os amigos de outras salas. Agradecemos desde já a cooperação das famílias na forma como nos acompanharam e ajudaram durante todo o desfile.
Durante a tarde recebemos na nossa sala, os amigos da sala dos 2 anos 2 para um lanche carnavalesco. Ouvimos canções de Carnaval, dançámos e brincámos com as fitinhas. Gostámos muito da visita.
Tal como prometido aqui fica o resultado final dos “Fofos de Belas”, receita sugerida pela família do Manuel. Fez sucesso entre “miúdos e graúdos”, obrigada pela partilha.
E como não podia deixar de ser, recebemos a nossa Mala Viajante, desta vez veio da casa da Isabel e da Mariana que nos apresentaram a Vila de Pinhão, lá bem em cima no mapa de Portugal na zona de Trás-os-montes e Alto Douro. A Mariana e a Isabel trouxeram-nos um traje transmontano para vermos e deixaram-nos a sugestão de uma receita de um bolo regional, o “borrachão”, em breve voltaremos a pôr a mão na massa e a experimentar mais uma iguaria do nosso Portugal. Uma região de paisagens deslumbrantes e de muitos encantos.  Por essa razão, depois de vermos a Mala Viajante, vimos alguns vídeos relacionados com a fauna, a flora e a pronúncia Transmontana com muitas palavras que não conhecemos. Obrigada pela partilha. 


Viva o carnaval e à alegria que a ninguém faz mal


Temos andado a viajar pelos açores e a descobrir lugares especiais.
Através da exploração da “lenda da borboleta da ilha do pico” descobrimos a vaca, o golfinho, o milhafre, o cagarro e o cachalote, animais característicos da fauna dos açores.

O carnaval chegou e resolvemos brincar com os nossos rostos, colorimos, colámos e que divertidos ficámos.
No dia do desfile de carnaval,
Nem as pinguinhas os intimidaram.
Cada um com o seu fato original,
Divertidos todos juntos desfilaram.

À tarde a diversão continuou, com um saboroso lanche carnavalesco. Obrigado aos amigos dos 3 anos 2 que simpaticamente nos receberam e connosco divertidos momentos partilharam J.
Beijinhos do fantástico grupo de crianças dos 4 anos 1 J


Gostamos do Carnaval


Estávamos tão Felizes com os fatos de Carnaval que escolhemos, e gargalhadas e sorrisos não faltaram! Neste dia, transformámo-nos com muita alegria em Polícias, Reis e Princesas, Fadas e Morcegos, Espanholitas, Piratas e Índias, Joaninhas e Capitão América não faltaram, mas as personagens do StarWars este ano destacaram-se com espadas luminosas e até um capacete que “falava”…
 E o Carnaval é isso mesmo, é brincar ao ”faz de conta” no qual as crianças se identificam com as personagens, inventando papéis, imitando situações ou reproduzindo comportamentos.
Mas depois de uma semana de sol, aparece a chuva mesmo no dia de Carnaval…mas… lá vamos nós pelas ruas de Meleças a festejar o Carnaval, vimos os pais, avós, os manos e outros familiares, e também os nossos “amigos avozinhos” do Lar de 3ª Idade.
De tarde, fizemos o Baile de Carnaval e dançámos o “Samba da Matrafona” e ainda partilhámos um lanche com os amigos dos 5 Anos 2 e com os amigos do ATL.
Também houve tempo para o recorte, colagem e desenho e jogos diversos que nos ajudam a desenvolver a criatividade e o raciocínio lógico-matemático.



Estão abertas as inscrições





sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Desfile de Carnaval

Neste carnaval, S. Pedro resolveu pregar-nos umas partidas.
O que ele não sabia é que as crianças do CSQBV são destemidas.
Será que pensou que seria uma chuvinha que nos iria assustar?
Enganou-se, pois com a ajuda dos crescidos, animados fomos desfilar!






Obrigado a todos pela vossa presença :)
x

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

“Quero o meu chapéu”

A área da expressão artística contempla diferentes domínios que possibilitam à criança diversos modos de se expressar.


Assim, se traduz a importância da expressão dramática na educação pré-escolar, pois é neste domínio que a criança através de várias
atividades lúdicas, aprende, enriquece o seu conhecimento, a sua criatividade e a capacidade de se exprimir. 
Esta semana ouvimos na nossa sala e dramatizámos a história: ”Quero o meu chapéu “


Realizamos a propósito da mesma história, uma atividade de expressão na qual cada criança, com várias técnicas de expressão plástica (digitinta e dobragem) fez o respetivo chapéu. 





Viagens na minha terra…


O Francisco O. trouxe-nos a vila da Sertã, para além de vermos algumas imagens, ainda fizemos as típicas broas de canela e descobrimos a hortelã, sabor principal nos maranhos, prato típico da sertã.
O Gustavo foi até ao concelho de Constança e trouxe-nos imagens da visita que fez ao castelo de Almourol e onde só se consegue chegar de barco, como o barco do banho do Gustavo. Também visitou a casa- memória do poeta Camões que fica em Constância e trouxe-nos laranjas do quintal dos avós, perto de Abrantes. Por fim ainda trouxe para partilhar com os amigos “queijinhos do céu das irmãs clarissas”, do mosteiro de nossa senhora da Boa Esperança.
Obrigada às famílias que nos vão proporcionando estas experiências que nos tornam a todos mais ricos!
Também já andamos a espreitar o carnaval e a explorar um dos carnavais mais portugueses de Portugal: “Os caretos têm uma roupa e estão lá em cima…”



Viver as tradições


Os amigos do 1º ano do ATL, em conjunto com a professora Ângela, fizeram-nos uma visita e presentearam-nos com os cantares das janeiras. Foi um momento repleto de ritmo e boa disposição.

Obrigado a todos e voltem sempre J




Chegou a vez da Isabel e a sua família connosco partilharam as suas vivências com o Kiko e a Kika. Contaram-nos a bonita história da cidade dos estudantes e das tradições, Coimbra. A Vera e o Luís, os pais da Isabel, partilharam connosco as suas recordações do tempo de estudantes, como se conheceram e apaixonaram. Pudemos experimentar a capa de estudante e perceber as tradições desta bela cidade.

Obrigado pela partilha e dedicação J



A tinta que soprámos, nessa poça depois saltámos.
Para o chapéu bolinhas de papel enrolámos e colámos.
Pintámos a gabardine como quisemos pois então,
Só faltava mesmo colarmos o nosso belo cabeção.


Beijinhos do fantástico grupo de crianças dos 4 anos 1 J

A visita da “D. Joaquina” e o contributo das famílias


A “D. Joaquina” voltou a visitar-nos e desta vez a Carla teve o prazer de a conhecer. Desde a festa de Natal que não nos visitava, já estávamos com saudades. É que a “D. Joaquina” logo a seguir às festas de Natal e Passagem de Ano resolveu fazer as malas e foi do Alentejo para Trás-os-Montes e trouxe-nos algumas coisas desta sua viagem. Mostrou-nos muitas fotografias, nomeadamente dos produtos regionais e tradições da região. A “D. Joaquina” trouxe-nos também azeite e mel de Trás-os-Montes para degustarmos, uma casinha típica vermos como são diferentes e máscaras dos caretos para pintarmos.

Nós também partilhámos com a “D. Joaquina” algumas das novidades e do que temos feito. Há bem pouco tempo estávamos a dizer as primeiras palavras e agora já conseguimos transmitir ideias, expressar sentimentos por palavras, fazer associações e até encontrar soluções para resolver problemas.

A “D. Joaquina” ficou de voltar em breve para nos continuar a ajudar a Descobrir Portugal.




Pintámos as máscaras dos caretos com as cores associadas aos fatos dos mesmos, que são também as cores da bandeira de Portugal.



Na semana que passou tivemos na sala a presença da mãe da Cíntia que veio contar-nos uma história que gostamos muito: “Vamos à Caça do Urso”, no fim partilhámos algumas das canções que cantamos na sala e fizemos bolinhas de sabão. Sara obrigada pelo tempo que nos dedicou!



A Mala Viajante também nos chegou com mais novidades, desta vez veio da casa do Manuel, vimos fotografias de Castelos e Palácios da zona de Sintra. Também vimos a fotografia de uma adega, onde se faz o vinho e se por algum minuto duvidámos que os nossos meninos soubessem do que estávamos a falar, alguém disse espontaneamente “O meu pai bebe vinho” e “eu não bebo vinho” J

Com a mala veio também a sugestão de uma atividade de culinária, a receita de “Fofos de Belas”, por isso não percam as próximas novidades que devem ser bem docinhas.




Descobrir a Beira Baixa


“A Beira Baixa fica em baixo da Beira Alta”(A.L.); “…e fica ao lado de Espanha”(S.R.).

“O instrumento que eles tocam é o adufe”(A.P.); “O adufe tem paninhos de cores e lá dentro tem pedras e moedinhas para fazer som”(M.V.).

“Na Beira Baixa há muitas cerejas”(T.B.); “…do Fundão”(M.B.); “…o Fundão é uma terra da Beira Baixa”(G.B.S.).

“Na Beira Baixa temos que levar luvas porque no inverno é muito frio”(R.S.); “…e temos que pôr gorro e cachecol”(A.M.); “…e temos que usar as calças da neve porque “tá” neve na serra da estrela”(T.P.).

“Na Beira Baixa há uma cidade que se chama Castelo Branco”(M.B.); “…e fazem os bordados das flores com as linhas”(A.P.).
“O meu pai, a avó e o avô vieram cá fazer uma atividade da Beira Baixa”(M.V.); “Porque os avós são da Beira Baixa, de Forneas”(M.V.); “…que é


uma aldeia”(A.R.); “onde há muitos pinheiros”(B.S.).

“E vimos a Matilde na montanha”(L.S.); “mas não tinha neve…”(J.C.); “…porque era verão e vimos as piscinas e a praia do rio”(B.J.); “e vimos a Matilde a dar mergulhos”(A.P.).

“As casas da aldeia são de pedra”(M.R.); “…são de xisto”(M.B.).

“A avó da Matilde fez um doce de natal”(M.B.); “era as filhós…”(A.P.); “…da Beira Baixa”(S.R.); E nós pusemos o açúcar por cima e depois comemos”(G.B.S.).

“E a avó trouxe os paninhos com os bordados”(M.B.).

“A Celsa também trouxe os bolinhos de azeite para nós comermos porque a Beira Baixa é a terra dela”(M.M.).


“Eu gostei de aprender sobre a Beira Baixa porque era uma terra nova”(M.R.).